domingo, 19 de junho de 2016

"Gilson Duro" descoberto por um radialista juiz-forano na década de 1980

GILSON CLEMENTINO, AOS 55 ANOS. O LOCAL DA IMAGEM, FEITA PELO RADIALISTA JUIZ-FORANO LÉO DE OLIVEIRA, FOI A RUA CAPITÃO BRÁS, PRÓXIMO À RESIDÊNCIA do SR. SÍLVIO RIGOLON. A FOTO QUE AQUI EXIBIMOS FOI EXTRAÍDA DE : WWW.RADIALISTALEODEOLIVEIRA.BLOGSPOT.COM.BR

Em 1982 o radialista juiz-forano Léo de Oliveira, então com 24 anos de idade, resolveu realizar um ensaio fotográfico em São João Nepomuceno e, entre outras figuras humanas que circulavam pela cidade na época, clicou nada mais nada menos do que Gilson Clementino, o popular carregador de malas conhecido como “Gilson Duro”, pessoa muito querida na comunidade são-joanense, que contava então com 55 anos de vida.

Na última quinta-feira a população de São João Nepomuceno se sentiu extremamente triste com a morte de “Gilson Duro”, aos 89 anos, deixando o “Bloco da Girafa” – agremiação carnavalesca à qual dedicou muitos anos de sua vida – eternamente desfalcada em sua composição.

Fazemos aqui o registro, destacando que o grande folião, jogador de futebol e por muitos anos auxiliar dos viajantes que aqui chegavam, transportando suas malas, além de conquistar a simpatia da maioria dos são-joanenses foi merecedor da atenção do radialista Léo de Oliveira, hoje também vereador em Juiz de Fora.

Gilson Clementino, fisicamente, não está mais entre nós, mas sua passagem pela história de São João Nepomuceno ficará indelevelmente marcada em nossos corações e mentes, pela sua simplicidade e alegria, muito próprias dos puros de espírito.


3 comentários:

  1. Nilson perfeita a manifestação a respeito de mais um ícone de nossa terra... que seu texto fique eternizado para eternizar a pessoa dele, que se foi, mas fica presente em todos nós que valorizamos a história.

    ResponderExcluir
  2. Nilson perfeita a manifestação a respeito de mais um ícone de nossa terra... que seu texto fique eternizado para eternizar a pessoa dele, que se foi, mas fica presente em todos nós que valorizamos a história.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, amigo, pelas palavras de incentivo!

    ResponderExcluir