domingo, 18 de janeiro de 2015

SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO VAI A BICAS PARA APRESENTAR PROJETO

PREFEITO DE BICAS, GERALDO  MAGELA, RECEBE SECRETÁRIO SÃO-JOANENSE DE DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO E TAMBÉM O AGENTE DA ADSJNR


Com o objetivo de iniciar um trabalho de interesse empresarial regional, com vendas em atacado de produtos industrializados em São João Nepomuceno e região às margens da BR-267; na localidade conhecida como Posto São Manoel em Bicas, o secretário municipal de Desenvolvimento da Indústria e Comércio, Renato Filgueiras e o agente de desenvolvimento da ADSJNR, Geraldo Magela Rabello, estiveram no gabinete municipal de Bicas, na semana passada, para um importante encontro com o prefeito Geraldo Magela Longo dos Santos.

O projeto é de fazer uso de 22 estandes do prédio ao lado do posto de combustíveis com lojas das indústrias do vestuário, calçados e outros produtos de fabricação própria na região. O secretário Renato Filgueiras informou que de São João Nepomuceno são 12 indústrias interessadas, além de outras de Mar de Espanha e até mesmo os calçados de Nova Serrana.

Na reunião que ainda contava com a presença da secretária Municipal de Desenvolvimento Econômico de Bicas, Fernanda Silva e do diretor da Indústria e Comércio de Bicas, Paulo César (Limão) foi informado que o objetivo da venda em atacado de produtos industrializados que não concorrem com o comércio da cidade.

Essa questão foi destacada pela secretária Fernanda que terá um encontro com a Associação Comercial e Empresarial de Bicas em breve para apresentar o projeto. O secretário Renato disse que seriam novas empresas registradas em Bicas, no caso de São João, abrindo filiais naquela cidade à procura de um nicho de mercado para vender todos os dias, pois a BR-267 liga cidades como Juiz de Fora, Muriaé e também é passagem para buscar a BR-116 e a BR-040 que estão próximas.

O projeto deve ser lançado em breve e o encontro com a Prefeitura de Bicas é para formalizar e até mesmo buscar parceria com o Executivo para auxiliar o início para instalação do projeto e depois deixar que as próprias empresas possam manter o funcionamento do mesmo.

O prefeito Geraldo Magela acompanhou atentamente a cada item da reunião e fará um estudo de viabilidade para participar do projeto e elogiou a iniciativa são-joanense e a busca de novos caminhos para o desenvolvimento local e regional. O agente de Desenvolvimento, Geraldo Rabello que também tem experiência com o turismo regional, pois é membro do Circuito Turístico Caminhos Verdes de Minas por vários anos, ocupando o cargo na diretoria também observou da importância desse projeto para as cidades da região.




ESCRITO POR MÁRCIO SABONES
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA PMSJN

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

CARNAVAL DE SÃO JOÃO NEPOMUCENO, ONTEM E HOJE

BENTO CLEMENTINO FOI UMA DAS GRANDES FIGURAS DO CARNAVAL SÃO-JOANENSE

Segundo informações contidas em antigos documentos da Câmara Municipal, entre eles posturas datadas de 1854, já se proibia o jogo do “Entrudo”, como era conhecido o carnaval da época, originário da Europa, festejo bem mais agressivo, até mesmo violento, do que o de hoje.


As primeiras referências ao carnaval são-joanense, na forma em que ele vem sendo comemorado através dos tempos, aparecem no jornal “Voz do Povo” edição de 24 de novembro de 1907, numa notícia relatando a eleição da primeira diretoria do clube carnavalesco “Filhos do Inferno”.


Mais tarde uma divergência entre os diretores do clube “Filhos do Inferno” faria surgir na cidade duas facções carnavalescas, e dessa dissolução do grupo antigo nasceram, em 1913 o Clube Carnavalesco Democráticos e quase simultaneamente o Clube Trombeteiros de Momo, sendo que este, após vários anos enfrentando crises, finalmente entrou em nova fase, em 1923,tendo os  diretores adotado o nome de Novo Clube Trombeteiros de Momo.


Em 1934 surgiram novos clubes e blocos como, Fenianos, Bloco Colar de Pérolas; Alinhados e Turunas, depois sendo fundado o Clube Operário.


Já em 1935 foi realizada a primeira “Batalha de Confetes”, que ainda hoje acontece, mas não com o mesmo brilho de antigamente, quando a Coronel José Dutra (Rua do Sarmento) ficava tomada por grossa camada de confete e serpentina, transformando seu calçamento num macio tapete, onde as crianças e até mesmo adultos se esbaldavam de alegria.


Na década de 1960, mais precisamente em 66, o carnaval de clubes começava a entrar em declínio, com a preferência do público pelo carnaval de rua, a exemplo do que acontecia na época antiga, em que se realizavam os préstitos em carros abertos e as críticas que os clubes Democráticos e Trombeteiros trocavam entre si.


Na década de 1970, as Escolas de Samba, que até então eram de certa forma marginalizadas pela sociedade começaram a conquistar a preferência dos foliões, e estas eram três: Escola de Samba Avenida Carlos Alves (ESACA),Escola de Samba Esplendor do Morro e GRES.Unidos do Caxangá.Entre o carnaval de ontem e o de hoje o que prevalece, como ponto alto, é o desfile das escolas de samba, onde acontece o Concurso para escolha da melhor delas, cujo formato se assemelha, guardadas as  devidas proporções ao do Rio de Janeiro, com as agremiações concorrentes sendo submetidas ao regulamento e aos quesitos obrigatórios determinados pela Associação Sãojoanense das Escolas de Samba (ASES).

(Alguns dados constantes do texto acima foram extraídos de www.jannepomucky.blogspot.com)


Na atualidade, as escolas de samba e blocos tem como passarela a Avenida Tancredo Neves, próximo à Rodoviária e a chamada “muvuca” (que é o carnaval animado por bandas), deixou de acontecer na Praça Barão do Rio Branco (Rodoviária) e voltou ao local antigo, que é a Praça Coronel José Brás.


 

 

 

CARNAVAL SÃO-JOANENSE DE 2015


 
IMAGEM ILUSTRATIVA EXTRAÍDA DO SITE OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO NEPOMUCENO

Agora, em 2015, segundo informa a Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de São João Nepomuceno, foi definido o seguinte: as três escolas de samba estarão desfilando na “Passarela” da Avenida Tancredo Neves;  haverá apresentação de bandas na Praça Coronel José Brás; o carnaval da Praça da Bandeira (Matriz) este ano não será organizado pela prefeitura, e sim pelos comerciantes do local; e já está confirmada para o dia 07 de fevereiro – uma semana antes do carnaval - na Praça da Bandeira (Matriz) a presença do Bloco Sassaricando, com um show de Sandra Portela. Os blocos Zé Pereira e Quatro Gerações, segundo informação por nós obtida por meio de pessoa ligada a essas agremiações, este ano não desfilarão. Os demais blocos, incluindo o já tradicional Bloco do Barril, considerado a mais agitada manifestação carnavalesca da cidade - devido ao grande número de participantes - estão aguardando a decisão do Promotor de Justiça e da Juíza da Comarca, sobre as condições que serão exigidas para que os mesmos possam se apresentar.